Email: Roseli Abrão


Blog: sexta-feira, 26 de maio de 2017

10:21:20

Verdade ou mentira?

A Agência Lupa, especializada em fact-checking (verificação de fatos) fez uma análise detalhada das últimas declarações do senador afastado Aécio Neves (o vídeo que postou nas redes sociais e o artigo que escreveu que foi publicado na “Folha”) após virem a público as delações de executivos da JBS e avaliou o que é falso, verdadeiro, exagerado ou contraditório.

A análise, que reproduzimos aqui, está disponível no site da agência e no jornal Folha de S. Paulo.

Falso

“Vi minha irmã ser detida pela polícia sem absolutamente nada que justificasse tamanha arbitrariedade”

Andrea Neves, irmã do senador Aécio Neves (PSDB-MG), foi alvo da operação Patmos, da Polícia Federal, no último dia 18, depois de citada na conversa em que o tucano pede R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista, dono da JBS. Na gravação, Joesley conta que havia se encontrado com Andrea e ouvido dela que Aécio precisava de “dois milhões [de reais] para pagar advogados”. Em seguida, o senador agradece Joesley por tê-la recebido e indica o primo Frederico para o recebimento desses valores. Com base nesse material, a Procuradoria Geral da República (PGR) pediu a prisão preventiva de Andrea Neves. Para o procurador-geral, Rodrigo Janot, a detenção dela era necessária porque havia “risco concreto” de “destruição de eventuais provas”. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin concordou com Janot e autorizou a detenção de Andrea na última quinta-feira. Ela é considerada operadora de Aécio. O senador nega irregularidades. Em sua última coluna na Folha e em vídeo publicado no Facebook, diz que, na conversa em questão, oferecia a Joesley a oportunidade de comprar o apartamento de sua mãe pelo valor citado. Procurado para comentar esta checagem, Aécio não retornou.

Verdadeiro

“Fui afastado do cargo para o qual fui eleito por mais de 7 milhões de mineiros”

Na última quinta-feira, o ministro do STF Edson Fachin realmente determinou o afastamento de Aécio Neves do cargo de senador em decorrência das gravações feitas pela JBS. Dados públicos disponíveis no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) também demonstram que o senador tucano teve 7.565.377 votos nas eleições de 2010.

Exagerado

“Setores da imprensa vêm destacando uma acusação do delator de que, em 2014, eu teria recebido R$ 60 milhões em ‘propina’. Mas (…) isso se refere exatamente aos R$ 60 milhões que a JBS doou legalmente às campanhas do PSDB naquele ano”

Consulta feita no site do TSE com CNPJs da JBS revela que, em 2014, a empresa doou R$ 56,5 milhões ao PSDB. Nesse total, que fica abaixo do citado por Aécio, estão os repasses feitos diretamente ao comitê do então candidato à Presidência da República, ao Diretório Nacional do PSDB e a outras campanhas tucanas. Só o comitê de Aécio Neves recebeu R$ 40,3 milhões. Vale destacar ainda que, na acusação de Joesley, a menção é feita a R$ 60 milhões pagos como propina, por meio de notas frias de empresas indicadas pelo senador. Procurado, o PSDB informou que “as informações citadas pelo senador Aécio Neves têm como fonte as prestações de conta que constam no TSE”.

Contraditório

“Não sabia que na minha frente estava um criminoso”

Na gravação (a partir dos 23min) que o empresário Joesley Batista fez com Aécio Neves, há um trecho em que o empresário fala abertamente sobre as investigações da Operação Greenfield, que estavam sendo feitas pela Polícia Federal naquele momento sobre ele e sobre sua empresa. Joesley também conta ao senador que tem um informante entre os investigadores do Ministério Público: “eu consegui informação lá de dentro. Consegui botar um cara lá também”. E Aécio questiona: “Onde?”. E Joesley revela que é na Procuradoria. Na última quinta-feira, o procurador Ângelo Goulart Villela foi preso na Operação Patmos por suspeita de vender informações. Procurado para comentar esta checagem, o senador não retornou.

Falso

“Nenhum de meus atos legislativos e políticos demonstram qualquer intenção de obstruir a Lava Jato ou qualquer outra investigação, tampouco interferir em instituições encarregadas de apurar os fatos”

Na gravação que foi entregue à PGR, Aécio propõe que Joesley o ajude a pressionar o presidente da Câmara, o deputado Rodrigo Maia, para que ele vote matérias que incluem a anistia ao caixa dois. Diz que trabalha “nisso igual um louco” e sugere que “alguém” de Joesley mande “um recado pro Rodrigo” para “assustar um pouco”. Nas palavras de Aécio: “Tem que votar essa merda de qualquer maneira (…) Eu tô assustando ele (Rodrigo Maia). Se a gente conseguir isso (anistia do caixa dois), já dá 80% do problema”. Em outro momento, Aécio critica o ministro da Justiça, Osmar Serraglio, e menciona que é preciso escolher os delegados da PF antes de distribuir os inquéritos abertos contra políticos. Procurado, o senador não retornou.

Contraditório

“Não fiz dinheiro na vida pública”

As declarações de bens que Aécio Neves fez à Justiça Eleitoral mostram que seu patrimônio cresce desde 2010. Naquele ano, quando concorria ao Senado, o tucano declarou bens que somavam R$ 617,9 mil. Entre eles estavam três terrenos em Minas Gerais, 50% de um imóvel no município de Cláudio (MG), um apartamento na Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro, e um apartamento em Belo Horizonte. Quatro anos depois, quando concorreu à Presidência da República, o tucano apresentou um patrimônio de R$ 2,5 milhões, 305% acima do valor anterior. Em 2014, Aécio tinha todos os bens declarados em 2010 e ainda cotas de uma rádio, no valor de R$ 700 mil, e ações herdadas do pai, no valor de R$666.660,00, além de um veículo Land Rover, avaliado em R$ 166,5 mil. Na época, o senador mantinha duas aplicações de renda fixa, um rendimento de previdência privada, e saldos em duas contas correntes – valores que somam R$ 364,4 mil. Em nota, Aécio informou que o aumento de seu patrimônio não tem relação com o exercício de seus mandatos, e é resultado da transferência de ações de uma rádio, feita por sua mãe, e de parte da herança de seu pai.





Blog: quinta-feira, 25 de maio de 2017

09:35:22

Dilma pede nulidade do impeachment

A ex-presidente Dilma Rousseff protocolou ontem no Supremo Tribunal Federal uma petição pedindo à Corte que julgue a ação sobre a legalidade do impeachment .

A ação que defende a nulidade do processo de impeachment foi apresentada inicialmente pelo advogado José Eduardo Cardozo em setembro do ano passado, destaca o site do PT.

Segundo Cardozo, Michel Temer foi atingido frontalmente por denúncias de corrupção e de tentativa de obstrução da Justiça, firmadas a partir de delações premiadas homologadas pelo próprio STF.

-- O País passa hoje por uma crise política e institucional aguda, em dimensões nunca antes vivenciadas. A cada dia se evidencia mais a ilegitimidade e a impossibilidade do atual presidente da República permanecer no exercício do mandato para o qual não foi eleito, e em que foi indevidamente investido por força de um processo de impeachment escandalosamente viciado e sem motivos jurídicos que pudessem vir a justificá-lo, aponta.

Na petição, Cardozo afirma que “urge que um governo legitimado por 54,5 milhões de votos, e indevidamente afastado do mandato que lhe foi outorgado pela população brasileira, retome as rédeas do País para buscar a normalidade institucional”.

-- Somente o Poder Judiciário pode reverter esta situação lesiva à democracia e ao Estado de Direito, afirma, apontando queo país vive “as consequências funestas de um terremoto político motivado por um impeachment presidencial consumado sem causa constitucional plausível” e que o governo está “desmoralizado”, em condições insustentáveis de governabilidade perante a sociedade brasileira e a opinião pública internacional.












Blog

O que vou dizer aos meus filhos?

Verdade ou mentira?

OAB pede impeachment de Temer

Sedes do PT e PSDB alvos de bombas

Pontos de vista

Dilma pede nulidade do impeachment

Prefeito que sair do PMDB perderá diretório

O triste fim de Eliot Ness

O que é isso companheiro?

Não era da JBS

Em pauta

Músicas antigas

Novos acadêmicos

Acupuntura, mitos e verdades

É preciso manter a esperança

TCP inaugura armazém de exportação e oferece novos serviços

TCP Log inicia movimentação de equipamentos destinados à fábrica de celulose da Fibria no Mato Grosso do Sul

TCP investe em ampliação da frota de veículos

Gestão de Fluxos garante confiabilidade na operação Porta a Porto da TCP

APM comemora 37 anos

TCP Log recebe carga projeto de 120 toneladas

Acesse também

Twitter - http://twitter.com/roseli_abrao

Facebook - http://www.facebook.com/blog.roseliabrao

RSS Feeds - http://roseliabrao.com/rss/

Coluna

Rossoni derruba sessão e irrita deputados

CEI do “xerox” não pode ser uma caça às bruxas

Erro do TRE dá sobrevida a Bernardo Carli

Ghignone aposta na vitória de Ducci

Beto não assume compromisso com emendas ao orçamento

Publicidade


Publicidade

A 1ª em aluguel de Livros com entrega em domicilio e Venda de Livros Usados em Curitiba

Telefones para contato:
(41) 3367-2466 / 3367-3544


Copyright © roseliabrao.com | 2011

Blog | Coluna | Em pauta | Roseli Abrão | Equipe | Contato | Topo do site