Email: Roseli Abrão







Blog: segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

15:32:18

Projeto de Sarney redefine critérios sobre tempo dos partidos na TV

A informação está no portal do PMDB nacional: tramita na Câmara o Projeto de Lei 2394/11, de autoria do senador José Sarney, que estabelece duração diferente para os programas gratuitos de rádio e TV destinados aos partidos políticos, de acordo com seus resultados eleitorais.

A proposta também trata dos requisitos para funcionamento parlamentar dos partidos na Câmara dos Deputados.

Segundo o projeto, o partido que tiver apenas a representação mínima de três deputados federais terá direito a um programa anual, em cadeia nacional de rádio e TV, com a duração de dez minutos.

Já o partido que eleger representantes em pelo menos cinco estados, obtiver pelo menos 1% dos votos apurados para a Câmara dos Deputados - não computados os nulos e brancos -, e que tiver representante eleito também na eleição anterior terá direito a um programa nacional de dez minutos por semestre.

Além disso, esse partido terá direito a 20 minutos de inserções, por semestre, em rede nacional, as quais poderão ser de 30 segundos ou de 1 minuto cada uma; e a outros 20 minutos de inserções da mesma duração nas emissoras estaduais, também por semestre.

O partido sem a representação mínima de três deputados terá direito a um programa por semestre em cadeia nacional, com duração de cinco minutos.

Pela legislação vigente (Lei dos Partidos Políticos - 9.096/95), todos os partidos com representação na Câmara têm igualmente direito a um programa em cadeia nacional, e a outro em cadeia estadual, a cada semestre, com a duração de 20 minutos cada um.

Todos esses partidos têm também igual direito a 40 minutos, por semestre, para inserções de 30 segundos ou 1 minuto, nas redes nacionais, e de igual tempo nas emissoras estaduais.

Funcionamento parlamentar

O projeto de Sarney também trata dos requisitos para funcionamento dos partidos na Câmara dos Deputados.

Segundo a proposta, terá direito a funcionamento parlamentar na Câmara o partido que, em cada eleição, eleger e manter filiados o mínimo de três representantes de diferentes estados.

Já o funcionamento da representação do partido que não atender a esses critérios será decidido pela Mesa da Câmara.

Segundo o presidente do Senado, um dos objetivos do projeto é evitar o vácuo legislativo causado pela decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que, em 2006, anulou dispositivos da Lei dos Partidos Políticos.

A lei estabeleceu cláusula de desempenho para fins de funcionamento parlamentar e acesso gratuito ao rádio e à televisão.

Esses critérios deveriam vigorar a partir do fim de 2006, mas foram considerados inconstitucionais pelo STF por violar os princípios da proporcionalidade e do pluralismo político, uma vez que inviabilizavam o direito de manifestação política das minorias.


Blog: segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

15:13:27

Paraná na “lista suja” do trabalho escravo

Cinco empregadores do Paraná estão na “lista suja” do trabalho escravo divulgada pelo Ministério do Trabalho.

O site “Congresso em Foco” traz a listagem completa, que mostra que, hoje, em todo o País, são 294 pessoas físicas e jurídicas que integra a lista, um recorde desde que a relação foi criada, em 2004.

Apenas contra os novos empregadores (52) denunciados pesa a acusação de ter submetido 1.175 pessoas à escravidão (93 no Paraná), com trabalho degradante e privação da liberdade, em 14 estados de todas as cinco regiões do país: Pará (9), Mato Grosso (8), Minas Gerais (8), Paraná (5), Rondônia (4), Maranhão (4), Espírito Santo (3), Goiás (3), Santa Catarina (3), Alagoas (1), Amazonas (1), Rio de Janeiro (1), São Paulo (1) e Tocantins (1).

Fazem parte da nova relação, usineiros, madeireiros, fazendeiros, empresários urbanos, empreiteiros e políticos. Enquanto estiverem na lista, destaca o “Congresso em Foco”, os infratores ficam impedidos de obter empréstimos em bancos oficiais do governo e sofrem restrições para vender seus produtos para grupos empresariais que assumiram o compromisso de não comprar de fornecedores incluídos no cadastro, por meio do Pacto Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo.

As restrições valem por pelo menos dois anos, período no qual os infratores serão monitorados.

A “lista suja” do Paraná

Agro Pastoril Novo Horizonte S/A
Fazenda Capivary
Campina Grande do Sul
Trabalhadores resgatados: 28

Estrela Agroflorestal Ltda.
Fazenda Cruzeiro I
Palmas
Trabalhadores resgatados: 9

Luiz Geraldo Ferreira ME
Fazenda Vitirinópolis I
São João do Triunfo
Trabalhadores resgatados: 12

Miguel Forte Industrial S/A – Papéis e Madeiras
Faxinal dos Santos
General Carneiro
Trabalhadores resgatados: 35

Olegário Germano Ullmann ME
Fazenda Vitirinópolis II
São João do Triunfo
Trabalhadores resgatados: 9




Blog: sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

15:55:17

Stephanes e Ratinho entre os deputados que mais enriqueceram

Com base em informações disponívei na página da Transparência Brasil e do TSE, o coordenador de projetos da ONG Transparência Brasil, Fabiano Angelico, mostra a variação patrimonial dos 16 deputados federais com mais de meio milhão de reais em 2006 e que mais enriqueceram até 2010.

Os dados, postados pelo jornalista e cientista político Emerson Cervi em seu Facebook, mostram que nesta lista estão dois paranaenses: Reinhold Stephanes, do PSD; e Ratinho Júnior, do PSC.

Em 2.006, Stephanes tinha um patrimônio de R$ 59.154,00 e, em 2010, de R$ 1.081.316,00, o que significa um incremento de R$ 1.022.162,00. Isso significa que seu patrimônio aumentou 1728% (o segundo maior aumento entre os 16 listados).

Ratinho Júnior tinha, em 2006, um patrimônio de R$ 596.153,00, e, em 2.010, de R$ 1.939.497,00. Um incremento de R$ 1.343.344,00, o que significa um aumento de 225%.

Os 16 deputados que mais enriqueceram

Bonifácio de Andrada (PSDB/MG) – R$ 2.162.130 em 2.006; R$ 9.691.070 em 2.010; incremento de R$ 7.528.940 (348%).

Wellington Fagundes (PR/MT) – R$ 681.423; R$ 7.255.284; incremento de R$ 6573.861 (965%).

Aníbal Gomes (PMDB/CE) – R$ 238.507 em 2.006; R$ 6.805.631 em 2.010; incremento de R$ 6.567.124 (2753%).

Aelton Freitas (PR/MG) – R$ 1.416.381 em 2.006; R$ 5.468.421 em 2.010; incremento de R$ 4.052.040 (286%).

Roberto Balestra (PP/GO) – R$ 1.281.596 em 2.006; R$ 3.884.883 em 2.010; incremento de 2.603.287 (203%).

Fernando Torres (DEM/BA) – R$ 521.1 em 2.006; R$ 2.685.807 em 2.010; incremento de R$ 2.164.707 (415%).

Ricardo Tripoli (PSDB/SP) – R$ 811.733 em 2.006; R$ 2.870.618 em 2.010, incremento de R$ 2.058.885 (254% )

Jorge Boeira (PT/SC) – R$ 510.312 em 2.006; R$ 2.459.809 em 2.010; incremento de R$ 1.949.497 (382%).

Rebecca Garcia (PP/AM) – R$ 367.457 em 2.006; R$ 2.249.959 em 2.010; incremento de R$ 1.882.502 (512%).

Antonio Carlos Magalhães Neto (DEM/BA) – R$ 820.559 em 2.06; R$ 2.541751 em 2.010; incremento de R$ 1.721.192 (210%).

Fábio Faria (PMN/RN) – R$ 249.8 em 2.006; R$ 1.926.524 em 2.010; incremento de R$ 1.676.724 (671%).

César Halum (PPS/TO) – R$ 325.4 em 2.006; R$1.682.501 em 2.010; incremenmto de R$ 1.357.101 (417%)

Ratinho Junior (PSC/PR ) – R$ 596.153 em 2.006; R$ 1.939.497 em 2.010; incremento de R$ 1.343.344 (225%).

Sérgio Brito (PSC/BA) – R$ 350 em 2.006; R$ 1.547.265 em 2.010; incremento de R$ 1.197.265 (342%).

Ronaldo Benedet (PMDB/SC) – R$ 391.744 em 2.006; R$ 1.500.041em 2.010; incremento de R$ 1.108.297 (283%).

Reinhold Stephanes (PSD/PR) – R$ 59.154, em 2.006; R$ 1.081.316 em 2.010; incremento de R$ 1.022.162 (1728%).



Blog: quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

11:03:04

Carros de parlamentares poderão ter placa especial

Com o objetivo “facilitar” o deslocamento dos parlamentares, o deputado Guilherme Mussi, do PSD de São Paulo apresentou, e a Câmara Federal analisa, projeto que prevê placas especiais de identificação para os veículos particulares de deputados federais e senadores.

Segundo a Agência Câmara de Noticias, o projeto ganhou a adesão de outros dez parlamentares, e, se aprovado, as placas poderão ser usadas quando solicitadas pelos presidentes da Câmara ou do Senado, de acordo com modelos estabelecidos pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

O projeto altera o Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503/97), que hoje autoriza placas especiais apenas para os veículos de representação pessoal dos presidentes da Câmara e do Senado, sem fazer referência ao restante dos parlamentares.

Nesse caso, as placas levam as cores verde e amarela da bandeira nacional, da mesma forma que as dos veículos do presidente e do vice-presidente da República, do presidente e dos ministros do Supremo Tribunal Federal, dos ministros de Estado, do advogado-geral da União e do procurador-geral da República.

Guilherme Mussi justifica a necessidade da placa especial com o argumento de que os integrantes do Congresso cumprem vasta agenda de compromissos, seja em Brasília ou em seus estados de origem.

Uma placa de identificação especial, segundo ele, facilitará o deslocamento do parlamentar.

-- Deslocando-se em veículos próprios, os deputados federais e senadores veem-se muitas vezes em situações que comprometem sua mobilidade, prejudicando-os na pontualidade ou mesmo impedindo-os de comparecerem a eventos, afirma.



Blog: quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

14:12:02

Gleisi nega “intervenção branca” no Ministério da Integração Nacional

Em nota oficial divulgada nesta quarta-feira, a ministra-chefe da Casa Civil, a paranaense Gleisi Hoffmann, negou que tenha recebido orientação da presidente Dilma Roussef para promover uma “intervenção branca” no Ministério da Integração Nacional.

A noticia da intervenção, publicada pela mídia nacional, teria a ver com a denúncia que o ministro Fernando Bezerra teria privilegiando seu Estado – Pernambuco – com as maiores verbas de prevenção de desastres naturais em 2011, apesar de o Rio de Janeiro ser o primeira da lista de alerta, com 12 municípios em situação crítica de risco

Gleisi, que interrompeu seu recesso no Paraná e retornou a Brasília na terça-feira para tratar das ações do governo federal relacionadas às chuvas que atingem especialmente o sudeste do país, distribuiu a seguinte nota:

"Esclareço que não recebi por parte da presidenta da República nenhuma orientação ou determinação para intervir na execução orçamentária do Ministério da Integração Nacional. O ministro Fernando Bezerra é e continua sendo responsável pela execução dos programas e projetos daquela Pasta. Qualquer informação fora deste contexto tem por objetivo disseminar intriga. O governo está trabalhando para ajudar, no que puder e couber, os Estados e a população que passam por situação difícil com desastres naturais.

Gleisi Hoffmann
Ministra-Chefe da Casa Civil"



Blog

TSE estuda impacto do coronavírus

Pimentel se filia ao PSD

Quem diria?

Prazo de filiação termina amanhã

Esquerda pede renúncia de Bolsonaro

Prazo de filiação termina em 4 de abril

Negligente

Alep pode adotar “plenário virtual”

Eleição corre risco de ser adiada

Plenário virtual

Em pauta

Tecnologia não substitui agente de viagem na hora da compra

Flyworld realiza quarta convenção nacional de franqueados

TCP lidera movimentação de contêineres no Sul do Brasil

Marketing online é decisivo para sucesso de negócios em franquias

Flyworld inaugura terceira unidade no Rio Grande do Sul

TCP investe em 30 projetos ambientais em 2018

TCP finaliza obras de ampliação do cais de atracação

Flyworld participa da Black Friday 2018

Aracaju ganha primeira unidade Flyworld

Resort e Hotel fazenda são opções para a semana da criança

Acesse também

Twitter - http://twitter.com/roseli_abrao

Facebook - http://www.facebook.com/blog.roseliabrao

RSS Feeds - http://roseliabrao.com/rss/

Coluna

Rossoni derruba sessão e irrita deputados

CEI do “xerox” não pode ser uma caça às bruxas

Erro do TRE dá sobrevida a Bernardo Carli

Ghignone aposta na vitória de Ducci

Beto não assume compromisso com emendas ao orçamento

Publicidade


Publicidade

A 1ª em aluguel de Livros com entrega em domicilio e Venda de Livros Usados em Curitiba

(41) 3367.2466 | 3367.3544


Copyright © roseliabrao.com

Blog | Coluna | Em pauta | Roseli Abrão | Equipe | Contato | Topo do site